Taxista, malufista e fã do Reinaldo Azevedo

Maluf e BolsonaroSob uma chuva torrencial, caminhei até a Avenida Ipiranga e tomei um táxi: “Bom dia, é uma corrida curta por causa dos alagamentos”.

Esse foi o pretexto para o motorista iniciar uma conversa.

“Se o Maluf tivesse sido eleito presidente, não estaríamos todos boiando”. Perguntei porque ele acreditava nisso. “Se o partido do Maluf não tivesse apoiado a candidatura do avô do Aecio Neves, Sarney jamais teria sido presidente. A senhora é muito nova, não deve lembrar”. Respondi que de fato não lembrava, mas que era jornalista e gostava de política. Sobrou pra mim.

“Jornalista? Melhor a senhora não falar isso por aí”.

Bom ouvinte de rádio, o taxista disse que escutava muito o Reinaldo Azevedo, desde os tempos em que ele não era “petista”. E emendou: “Eu não votei no tal do Bolsonaro por causa do Reinaldo. Um homem muito inteligente”. Perguntei se gostava de mais algum jornalista. “Gosto do Kennedy”.

E continuou falando. “Sou muito bem informado e posso garantir pra senhora que o Brasil nunca dará certo’”.

Dei risada e perguntei porque ele gostava do Maluf, que representava a continuidade do regime militar na época, e não gostava do Bolsonaro. Eis a reposta:

“Porque eu votaria num homem que prega o fim da corrupção? Pra quê? Pra provocar desemprego ? Pra colocar a culpa de tudo nos outros e não fazer nada? Eu estou quase pedindo a volta da corrupção”.

Segundo sua lógica, o brasileiro não presta. Ou é honesto ou é malandro, ou é generoso ou é otário. “Veja só o Collor senador! E a Dilma, coitada, era muito incompetente, mas caiu por nada. Não sou petista, mas brincadeira…”

O taxista também estava impressionado com os filhos do presidente brasileiro e escandalizado com a eleição de João Dória. “Mas não votei no Skaf. Fiz uma corrida pra ele e sequer me cumprimentou”.

Daí contei que votava em São Paulo, mas era piauiense. “Teresina, moro aqui há doze anos”. E ele: “Então já é paulista”. Esbocei um protesto.

No caminho, um pequeno rebuliço por conta de um farol quebrado. “Veja isso. Colocam um monte de farol moderno, mas quando chove, que é quando precisamos mais ainda deles, todos quebram”.

O carro se aproximava do meu destino quando perguntei, afinal, em quem ele votara para presidente. Já sabia que não era petista, nem bolsonarista, e gostava do Maluf. “Votou no Ciro?”, provoquei. “O candidato que eu menos odiava está preso. Anulei. A senhora vai pagar na máquina?”.

Ali estava, sem muito blábláblá, um brasileiro tipicamente ‘moderno’: saudoso do velho, mas sem grandes ilusões.

Eu disse que pagaria em dinheiro, ao que ele reagiu positivamente puxando um bolo de notas de vinte: “Ótimo”.

Críticas à imprensa e ‘ideologia’ representam 38% da timeline de Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro publicou 211 tweets entre 1 e 31 de janeiro de 2019. Emojis foram excluídos nessa análise. Cerca de 17% deles são ataques diretos à imprensa e jornalistas.

bolsonaro e imprensa.png

  • Referências a partidos de oposição, como insinuações sobre a relação do PSOL com o atentado, comparações com Lula e ‘despetização’, representam 21%.
  • Pode-se dizer que 38% da timeline de Bolsonaro em janeiro foi uma forma de se proteger ‘atacando’.

TIMELINE janeiro Bolsonaro.png

  • Nos últimos dez dias, Bolsonaro triplicou o número de tweets, assim como o número de ataques à imprensa. Entre 1 e 10 de janeiro, foram sete tweets. Entre 21 e 31 de janeiro, foram 21 tweets.

grande dia

  • As principais referências externas do presidente são os perfis Renova, Isentões, Falha de São Paulo e OdiodoBem.

bolsonaro insentoes.png

  • Apenas dois tweets relacionados à imprensa foram sem tom pejorativo: entrevista à Bloomberg e vídeo da TV Record.

bolsonaro record.png

  • A linguagem de Bolsonaro, e aqui não há novidade, ainda não se descolou da linguagem do filho, Carlos Bolsonaro.

bolsonaro jean willis.png

  • A renúncia do ex-deputado Jean Willys, a tragédia em Brumadinho, a participação em Davos e a cirugia do presidente foram os principais assuntos nesse período.

bolsonaro e falha.png

  • A linguagem utilizada pelo presidente durante a tragédia em Minas Gerais teve um tom mais pessoal, mais apropriado ao cargo que Jair Bolsonaro ocupa.

Bolsonaro Brumadinho